RADICAIS VERDES - A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DOS "DEFENSORES" DO PLANETA.

sexta-feira, maio 10, 2013 Marcos H. de Oliveira 0 Comments


Aconteceu assim: nos anos 90, um grupo de psicólogos resolveu descobrir qual era a motivação de um ativista ecológico ou de um grupo que arriscava vidas para defender os "direitos" do planeta. Vamos chamar este grupo de "Paz Verde", certo? 

O resultado foi interessante: boa parte dos líderes do tal "Paz Verde" tiveram uma infância difícil porque foram abandonados pela mãe ou criados sem nenhuma presença materna substituta. A conclusão dos psicólogos foi que estas pessoas realizaram uma "transferência afetiva", ou seja, trocaram a mãe ausente pela "Mãe Terra". Pense no que você faria para proteger a sua mamãe para entender como esta troca é perigosa.


Este é um assunto tão espinhoso quanto cauda de peixe porque somos levados a defender automaticamente uma boa causa e a reflexão vem depois. Eu poderia preencher este espaço com muitos exemplos do radicalismo verde, mas todos eles estão disponíveis na Web e podem ser encontrados com facilidade. E você é antenado o bastante para saber que defender o planeta da ganância humana e corporativista é sempre necessário. A questão é como.

Radicais Verdes funcionam como qualquer outro grupo radical: são movidos por traumas. Amparados por fatos relevantes como perda da camada de ozônio, efeito estufa, maus tratos com animais, desmatamento, eles vestem a camisa de "protetores" do planeta. É um passe livre para depredar supermercados, atacar empresas e combater avanços tecnológicos nas áreas de pesquisa como medicina e agropecuária (veja o recente artigo do filme O Sistema aqui no AGE). E este não é o maior dano.

Radicais gostam de chamar adolescentes para o movimento porque este é o grupo mais influenciável, os chamados "rebeldes sem causa". Minhas desculpas, se você é um adolescente que está lendo isso, mas é um fato psico-biológico. 


Mais interessante ainda, é que os Radicais Verdes não são diferentes das empresas que combatem e usam das mesmas estratégias de marketing, lotando seu Facebook com fotos de foquinhas esquartejadas, rios poluídos, céu esfumaçado pelas chaminés de fábricas e o diabo a quatro. Tudo isso é muito triste mesmo, mas pichar produtos transgênicos em um supermercado não vai resolver. Informação e educação de verdade, sim.

Não fique verde de raiva comigo porque ainda tenho mais uma historia pra te contar: antes da moda do "think green", pescadores de uma pequena ilha no Japão viviam apenas da pesca da baleia. Estamos falando de quatro gerações de pescadores e do sustento de uma pequena população. O resultado é que estes pescadores continuam pescando ilegalmente. O governo não ofereceu nenhuma troca comercial que pudesse gerar renda para o sustento da vila e das famílias. Imagine um senhor de 70 anos sendo chamado de "inimigo da Natureza" porque faz exatamente o que o avô dele fazia. Percebe como as respostas não são fáceis?


Este artigo é fruto da recente demanda de mensagens que estão aparecendo nas redes sociais ultimamente. Jovens do séc. XXI com discurso de hippies dos anos 60. Uma galera super-inteligente mas que se deixa influenciar pelo Swarming Ecológico que está na moda. É sempre bom lembrar que a manipulação da informação funciona dos dois lados da batalha. E você não quer virar uma marionete de um grupo radical, certo?

Informe-se antes de sair por aí, atacando o mesmo sistema capitalista (do qual você faz parte), que vende aquela "água pura" das montanhas em diversas cores e sabores. Como seres humanos e (animais), consumimos os recursos do planeta desde o primeiro sopro de vida e não podemos ser ingênuos a respeito disso. Porém, podemos consumir menos e melhor.  Parece piada, mas para defender o verde e a sustentabilidade ou qualquer outra causa (pobreza, indios, política, etc), você precisa estar maduro.

Selecionei alguns links que podem ajudar. Um bem legal é o Congresso Internacional de Economia Ecológica - EcoEco Alternativas 2014. Informe-se e saiba mais. A "Mãe" Natureza agradece. Abraços.

 

Fontes:


Curtiu? Então comente e compartilhe nas Redes Sociais!

0 comentários: