ART GAMES - O ENCONTRO DA ARTE COM O ENTRETENIMENTO.

sexta-feira, novembro 23, 2012 Marcos H. de Oliveira 0 Comments



Antes de começar, uma informação básica:
 
Em 1912, o intelectual italiano Ricciotto Canudo, propôs no seu Manifesto das Sete Artes e Estética da Sétima Arte que o cinema fosse considerado como a sétima arte, aumentando a lista precedente de Hegel. O manifesto foi publicado posteriormente em 1923 apresentando a seguinte listagem das artes:

Arquitetura
Escultura
Pintura
Música
Dança
Poesia
Cinema

Segundo esse Manifesto, o teatro não aparece na lista, como uma forma independente de arte, pois o mesmo combina diversas linguagens artísticas existentes. - Wikipédia


Legal, né? Só que, passados 100 anos, precisamos rever esta lista. Quadrinhos e Games são, sem dúvida, Arte. E das boas. A Indústria do Entretenimento era, até pouco tempo atrás, a forma mais usada para se referir ao Cinema. Perdeu feio. O posto foi assumido com responsa pelos profissionais da animação e computação gráfica, roteiristas, quadrinistas, músicos, sonoplastas, dubladores e até mesmo atores de carne e osso. Contratar tanta gente é ótimo e o faturamento também é alto: só o jogo Fifa 13 já vendeu 4,5 milhões de cópias em todo mundo até agora. E tudo isso para você passar noites em claro com calos nos dedos (jogando, é claro). Não é divertido? Claro que é!


Mas o foco aqui é Arte e não números de quanto essa mídia (que conseguiu reunir todas as outras) fatura. Quem quiser, pode conferir o link Os 100 Jogos mais vendidos de todos os tempos.

Na Era do 3D, da viagem a Marte e de virgens leiloando a dignidade, tudo precisa ser fantástico, brilhante e ter efeito "UAU!" Os games são a prova viva disso e uma referência fundamental para quem trabalha com a criatividade e novas ideias. Isso vale pra todo mundo e não apenas para quem trabalha com publicidade e propaganda. Basta olhar o design de cidades, prédios, armas, animais, etc para gerar um pensamento novo e diferente que pode servir para escrever, desenhar, pintar, esculpir e muito mais. Aliás, estas são algumas das fases para o desenvolvimento de qualquer game.


Este artigo serve como um mini-guia para jogos que trazem um estilo gráfico diferente do hiperrealismo dos personagens mais conhecidos em jogos como os da série Halo e afins. Também não é uma análise sobre jogabilidade, melhor história, etc. É pura Arte. Pra curtir ou pra jogar. Play on! 



Quer mais?
 
Não perca os extras deste artigo na fan page
do AGE no Facebook! Curta agora

0 comentários: