O LADO NEGRO DE STEVE JOBS - O VERME NA MAÇÃ DA LIDERANÇA.

quinta-feira, outubro 06, 2011 Marcos H. de Oliveira 12 Comments



Me incomoda o fato de que, quando uma pessoa morre, sua história seja contada apenas pelo lado "luminoso". É o que chamo de "beatificação da morte". E quando essa pessoa é um "gênio" como Steve Jobs (1955-2011), a coisa toma uma proporção tamanha onde o homem é esquecido e fica o ícone, o herói simbólico, pranteado e louvado globalmente. Você já deve ter lido tudo que precisa sobre o "Guru da Tecnologia" em outros lugares. Vamos por outro caminho.

Steve Jobs tem a fama de ser um chefe dos infernos, um capataz que infunde terror, que está sempre gritando com os funcionários e aleatoriamente demitindo subordinados desafortunados. - A cabeça de Steve Jobs, Leander Kahney, 2008 

A primeira coisa importante a saber é que você não é Steve Jobs. Jobs foi hippie, usuário de drogas, pai ausente e marido idem. E tornou-se milionário, visionário e um símbolo do Capitalismo de Liderança. Jobs foi um cartão premiado de Loteria. Um em milhões. Ídolos costumam ser vistos como imaculados e isso é perigoso. Já existe um bom número de pessoas, em cargos de liderança, tratando mal seus colaboradores no modelo "Jobs's Style of Leadership" para, depois, jogar um saco de dinheiro como forma de compensar abuso de poder. Não é por aí.

Jobs pegou seus interesses e os traços de sua personalidade — obsessão, narcisismo, perfeccionismo — e transformou-os nas marcas registradas de sua carreira. É um elitista que considera quase todas as outras pessoas idiotas. Mas faz gadgets tão fáceis de usar que mesmo um idiota consegue dominá-los. - A cabeça de Steve Jobs, Leander Kahney, 2008

Neste momento, milhares de jovens em todo mundo estão comprando (ou "baixando") a bio de Steve Jobs. Espera-se uma nova série de livros sobre negócios, liderança e até Budismo (ele era budista e vegetariano). Jobs, como um herói nórdico abatido, será consumido e prazeirosamente devorado por seus seguidores. Todos querem um pouco de sua força e capacidade de inovação. Quem já possui um pouco dentro de si, ganhará um novo suplemento. Quem não tem, sinto muito, nunca terá.

Se o dinheiro não fosse uma questão, o que você faria? - Steve Jobs, entrevista pessoal para Jim Oliver em outubro de 2006.

Thorwald Dethlefsen e Rüdiger Dahlke, autores de A Doença Como Caminho (Ed. Cultrix, 1996), descrevem o câncer como "a doença egoísta". O pâncreas, segundo a escritora Annick de Souzenelle de O Simbolismo do Corpo Humano (Ed. Pensamento, 1994), é o orgão das energias que ali são depositadas à espera da realização. Jobs não queria esperar, queria realizar. Jobs era de Peixes com Lua em Áries, o primeiro do Zodíaco (veja o anexo). Traduzindo, ele foi um sonhador de emoções e sentimentos fortes e incontroláveis, quase egoístas. Sua contribuição para Humanidade não tinha como base o altruísmo desinteressado. A Apple, seus funcionários e os próprios consumidores eram apenas "ferramentas" para atingir um objetivo: a realização de si mesmo.

Athol Foden, um especialista em nomes para produtos e presidente da Brighter Naming, sediada em Mountain View, Califórnia, disse que o nome (Ipad) é genial — simples, fácil de lembrar e, ainda mais importante, não descreve o aparelho, então pode continuar sendo usado conforme a tecnologia evolui, mesmo que a função do produto mude. Também notou o duplo sentido do prefixo “i”: “internet”, como no “iMac”, ou a primeira pessoa “I”, significando “eu”. - A cabeça de Steve Jobs, Leander Kahney, 2008

Para se afastar da idolatria, é preciso "humanizar" o símbolo, torná-lo real, humano e, portanto, imperfeito. Só assim é possível enxergar com perspectiva a grandeza de alguns seres humanos. Steve Jobs é (e sempre será) um semi-deus para os geeks e para tecnologia. O menino adotado, o hippie que se fez empresário de sucesso, o revolucionário. Mas para você que é estudante ou tem entre 21-35 anos, escolha bem a maçã que deseja morder e tenha cuidado: Você não é Steve Jobs.


Fontes:
A cabeça de Steve Jobs, Leander Kahney, 2008
Mapa Astral de Steve Jobs
O Profeta - Revista Alfa 2, 2010

 Curtiu? Então comente e compartilhe nas Redes Sociais!


12 comentários:

É, quando o cara morre, só se lembra o aspecto bom da pessoa. Vira um ícone.... Steve Jobs era um ser humano comum com defeitos e qualidades. E deixou o seu legado à humanidade...Egoísta ou não, hoje nós desfrutamos de invenções que partiram da mente dele. E só por isso,nós que não o conhecemos pessoalmente, somos gratos.
Que Deus o tenha e o julgue conforme sua justiça.

Gustavo disse...

É um estilo de liderança duro, verdade, mas como homem de negócios ele conseguiu resultados formidáveis. Ele usou toda sua bagagem de vida e construiu uma empresa cujos produtos são puro design e mudaram a forma como as pessoas se relacionam com tecnologia.

Gustavo, houve um debate acalorado no LinkedIn e acabei recebendo um artigo bem legal que complementa, até de forma mais clara, o que escrevi acima. Olhem só:

Não tente repetir em casa
Tutty Vasques

Faltou alertar no obituário de Steve Jobs que nenhum jovem sem a mínima ideia do que quer fazer na vida deve tentar seguir, passo a passo, o exemplo do gênio da Apple. Tomar LSD, converter-se ao budismo, abandonar a universidade e se matricular num cursinho de caligrafia não faz de ninguém ícone da era digital.

Currículo de visionário não serve de receita de autoajuda para quem anda correndo atrás de luz própria na escuridão dos tempos. Converse a respeito com seu filho antes que ele resolva reinventar o futuro com uma viagem à Índia, como consta da biografia póstuma do mestre.

Quem já tem idade para estar com problemas no emprego também não deve deduzir que a demissão é o melhor dos mundos só porque Steve Jobs chegou a esta conclusão sobre sua saída da Apple naquele memorável discurso na Universidade de Stanford.

Por fim, mas não menos importante, cabe uma advertência especial a quem acha que educação vem de berço: encaminhar seu filho recém-nascido a adoção também não fará dele um legítimo Steve Jobs.

Fica do seu exemplo de vida um único ensinamento prático: procure alguma coisa pra fazer com amor! E boa sorte!

É isso aí. Artigos diferentes com a mesma mensagem. Agradeço a leitura. Abs!

Mariana disse...

Acho interessante expor o outro lado do gênio, o lado patrão cretino.
Mas perdeu meu respeito quando resolveu argumentar que o "pâncreas é o órgão das energias"
Como destruir um texto...

Mariana, não perdi o respeito por você, mesmo ao não explicar porque considera isso absurdo.

O objetivo, tanto dos orgãos quanto do mapa, foi o de abrir dimensões diferentes e ampliar o ponto de vista além do genérico. Não cabe no contexto do artigo, falar mais sobre Astrologia ou Cabala, etc. Como Steve Jos era judeu, achei interessante citar algo em que ele mesmo acreditava. O nome dos livros estão no artigo para quem desejar um estudo mais aprofundado.

Penso que podemos "construir uma ideia" quando deixamos os preconceitos de lado. É a superficialidade que destroi bons argumentos. Boa sorte e prosperidade e continue com a gente.

Anônimo disse...

que post ruim. tão arrogante quanto achar que o cara é um deus.

A opinião de todos, mesmo anônimos, é respeitada aqui no AGE. Continue acompanhando até criar, quem sabe, uma identidade. Boa sorte.

Walter disse...

A MotoFail Deve ter uma liderança mole que deixa os subordinados fazerem o que querem por isso saiu como saiu o Motorola Atrix, para quem tem que trabalhar com subordinados e manter a empresa em um certo padrão sabe que tem que duro em muitas horas , poiis se não vira bagunça, acredite se algum de vcs um dia tiverem uma empresa vão saber do que estou falando.

Ninguém vira um anjo depois que morre, mas pelo que ele é fez ele é gloriado, e não por ser o melhor pai do mundo ou o esposo que nunca traiu sua mulher, na verdade que se foda a parte familiar dele pois não é do interesse de ninguém, mais ele como empresario e visionário ele merece esse prestigio, sem ele talvez ainda não teríamos um smartphone touch, e muito menos tablets. então VIVA ao gênio que ele foi e não por ser o homem perfeito, se vc é um homem perfeito atire a primeira pedra.


alias...gostei muito do seu blog e já curti ele no facebook, parabéns qualquer coisa da uma olhada no meu. http://www.brazphone.blogspot.com/

Amarante Jord disse...

Muito bom o post! Parabéns!!! Não é porque se morre que se beatifica! Gênio talvez, mas humano e com falhas com certeza, tanto é que morreu, como qualquer ser vivente.

Em breve, teremos um novo artigo sobre Walt Disney e sua participação como espião do FBI na caça pelos comunistas. Charlie Chaplin foi um dos alvos. Aguardem.

Post Sensacional!

Valeu, Claudio! Siga o AGE no Facebook para ver os extras deste artigo e continue com a gente. Abs.