Editorial - Filosofia - O Tempo Criativo - A perda da contemplação no processo do criar por Marcos H.

terça-feira, junho 07, 2011 Marcos H. de Oliveira 2 Comments


Tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo propósito debaixo do céu: há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de chorar e tempo de rir; tempo de abraçar e tempo de afastar-se; tempo de amar e tempo de aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz. (Eclesiastes)

Um paradoxo para você: se as ferramentas de comunicação se desenvolveram tanto, desde a carta escrita para o e-mail e mensagens instantâneas, se o papel está dividindo espaço com os tablets e a distância para o acesso a qualquer informação foi encurtada em milhares de quilômetros, por que continuamos acreditando que o tempo é curto?

Os gregos antigos tinham duas palavras para o tempo: chronos e kairos. Enquanto chronos refere-se ao tempo cronológico, ou sequencial, que pode ser medido, kairos refere-se a um momento indeterminado no tempo, em que algo especial acontece. Em Teologia (estudo das religiões), é "o tempo de Deus".

A frase que inicia este artigo, descreve esse "tempo" chamado Kairos, cujo nome significa “o momento certo” ou “oportuno”. Nenhuma tecnologia pode controlar o tempo, apenas dar a ilusão mental de que ele existe. Sol e Lua são "relógios naturais", assim como o envelhecimento das células e do corpo como um todo. É inevitável. Mas nós podemos controlar, de certa forma, o "espaço". Você entende o que é espaço? 

Na física, o espaço é definido como "o campo de todos os eventos", "a estrutura que permite quaisquer manifestações físicas e sua interação e dinâmica" e, ainda, "a região compreendida entre dois pontos consecutivos". No meu ambiente de trabalho, eu manifesto Chronos e meu espaço é limitado pela física: tenho horários e tarefas para cumprir, tempo de chegar e tempo de partir. O mesmo acontece dentro do metrô e no caminho para casa. Você atua de forma linear, cronológica e como parte de um sistema.

O "tempo criativo" é exatamente o oposto disso.

Pense em qualquer situação na qual você foi criativo. Naquele momento, você pode ter passado por uma certa perda de espaço, a identificação de onde estava. Pode até mesmo ter abafado as vozes e sons ao seu redor e se concentrado em uma ideia especifica. Neste intervalo (que pode acontecer em qualquer lugar), você está no tempo de Kairos, no tempo da oportunidade. 

É curioso descobrir que a palavra crise em chinês tem dois ideogramas, um significando perigo e o outro simbolizando a oportunidade. Isso porque só é possível criar através do Caos, ou seja, do não-linear. Até mesmo os matemáticos e físicos partem deste princípio. Portanto, tentar evitar o caos ou a crise em sua vida, só vai fazer com que momentos assim apareçam mais vezes.

E chegamos, finalmente, na contemplação.

Vou compartilhar a minha definição: contemplação quer dizer "com tempo, há ação". Como redator profissional, minha criação começa pelo "briefing" (Chronos) para depois entrar na fase do "brainstorm" (Kairos) que é o Caos de ideias jogadas no espaço, antes de se tornarem conceito e, no momento certo, uma ação prática para o cliente. Parece complicado, mas não é. 

Experimente aplicar este conceito no seu trabalho (seja qual for) e verá que você tem  tempo de sobra, tanto para Chronos quanto para Kairos. E principalmente para sua qualidade de vida. Agradeço pelo seu tempo. Até a próxima!



Fontes:


Sobre o Autor:
Marcos H. de Oliveira Marcos H. de Oliveira é redator freelance de publicidade e propaganda e consumidor voraz de livros, música, cinema e arte. http://twitter.com/agentescreve

2 comentários:

Reinam Ribeiro disse...

A velocidade com que os gestores precisam de resultados preciona os criativos a desenvolverem o trabalho sem tanto tempo para inspirações mais plásticas. O fator de um profissional ter que realizar várias funções e acumular responsabilidades também influencia na perda desse kronus. É uma pena, pois perdemos a qualidade criativa da publicidade que faz história, que marca um tempo. Essa dificuldade no planejamento do tempo também é vista nas ações de relacionamento com cliente nos SACs e redes sociais.

Abraço.

Bons exemplos, Reinam. Uma resposta para este dilema é um outro artigo (O Clube da Luta e da Felicidade para o criativo que não cai no primeiro soco - http://bit.ly/mx8Bon). Experimente! Agradeço o comentário. Abs.