Uma Palavra - Passos

quinta-feira, dezembro 16, 2010 Marcos H. de Oliveira 1 Comments

Então, é Natal e o que você já fez? Contabilizou ganhos e perdas, sorriu ou xingou o salário extra (ou a falta de), consultou sites de viagem para o fim de ano, fez uma doação para alguma ONG, comprou presentes, juntou, separou, casou ou engravidou e leu seu horóscopo (só por curiosidade) para 2011. Tudo bem. E agora?

Agora, a mente para por um momento de ser tão prática e dá lugar ao “pensar” do coração. Do alto do Morro até as minas de carvão no Chile, nas Montanhas da Austrália ou em qualquer lugar onde exista um ser humano, esta época do ano sempre acorda a mesma pergunta: Qual é o próximo passo?

A palavra passo é muito legal porque é cheia de duplo sentido. Para fisiologia do corpo a explicação é que cada pé possui 26 ossos e 33 articulações principais que se unem a um par de músculos classificados em extrínsecos e intrínsecos. Sim, para dar um passo, você mexe tudo isso. E para dar “aquele passo”, o que você mexe?

Algumas religiões dizem que o calcanhar é o nosso passado e que ali residem os ancestrais e as nossas “dívidas”. Aquiles dançou quando sua mãe deixou seu calcanhar de fora no banho mágico que o deixaria invencível. Com o passado não se brinca.

Crenças à parte, seguir em frente só pode acontecer se o seu passo atravessar o seu passado, ou seja, deixar passar o que você não precisa ou deseja levar com você para aquele futuro idealizado. No Tai Chi Chuan, uma arte marcial usada para meditação, cada movimento liga-se ao outro em harmonia para canalizar uma energia de mudança no comportamento do estado anterior (e interior) para o posterior, o futuro se você preferir. Quando mais lento o processo, mais consciente você estará da mudança.

Desta forma, o passo deixa de ser substantivo (substância) e torna-se verbo, torna-se ação dirigida. Dar esse passo mental não quer dizer que você já descobriu para onde vai ou que tudo está resolvido. Do passo, podemos evoluir para caminhada, para corrida e assim para conquista pessoal. O que importa é o movimento. Pode ser um pequeno passo para humanidade, mas com certeza será grande para você.

Boa sorte e que cada passo acompanhe o seu ritmo, o seu “marca-passo” individual. Até a próxima.

1 comentários:

Magda disse...

Com certeza... sou daquelas que acredito que nossos futuros "passos" só serão válidos se os anteriores estiverem em nossa memória. Tendo sido eles bons ou ruins, cabe a nós refletirmos a sua valoração.