Dom Quixote - O Louco Sagrado da Literatura Universal.

segunda-feira, outubro 11, 2010 Marcos H. de Oliveira 2 Comments


Particularmente, a melhor obra de ficção de todos os tempos. Um fidalgo castelhano imerso no mundo dos livros de cavalaria resolve imitar seus heróis caminhando por aventuras impossíveis pelas terras de Aragão, La Mancha e Catalunha.

Passei muito tempo até conseguir ler o livro inteiro, que pode ser dividido em duas partes. A primeira trata de uma fantasia sem limites. Na segunda, a revelação da realidade pura e dos limites impostos ao aventureiro. À beira da insanidade, o personagem convence o leitor através da emoção e da fantasia, com um humor trágico e delirante que só se vê nos sonhos. Sim, nos sonhos. A retórica do texto e as narrativas utilizadas por Cervantes são puramente conectadas ao inconsciente do espectador-leitor.

Na sua loucura inocente, consegue fazer do leitor um aliado fiel, assim como fez Sancho Pança, seu amigo, escudeiro e conselheiro.  Com isso, pode fazer quem lê ultrapassar qualquer barreira do pensamento, além do imaginário. E o melhor: convencer o leitor a sentir-se confortável com isso e nãos e culpar por acreditar na própria loucura. Afinal, para o autor isso é quase um direito.

A cada página, o burlesco das situações, as distorções espontâneas e as paródias, recursos utilizados por Cervantes para criar contradições entre o ideal e o real torna a obra instigante e por mais que relutamos em não acreditar do que Dom Quixote vê e combate, o texto nos vicia a imaginar que a situação é possível. Seu comportamento incurável e incansável encoraja algo dentro de nós e talvez esse seja um aspecto do romântico que merece ser destacado na obra.  

O amor por Dulcinéia, a camponesa que ele sonha ser só dele também vive com ele rumo às aventuras impossíveis do cavaleiro, mas apenas em seu mundo de batalhas e ilusões. Nunca antes em algum livro, encontra-se o patético e o burlesco de maneira tratado de maneira tão séria. Sim, ele é um livro sério, uma novela realista, pois o cavaleiro em certo momento se dá conta do que realmente vive. 

Esta obra lírica, romântica, patética, insana e mágica foi feita para inspirar, isso mesmo inspirar. Assim como o cavaleiro inspirado pelos próprios desejos e convicções, esse livro foi feito para lembrar o quanto é importante para nós fazer isso todos os dias. 

Um anti - herói impossível, mas inesquecível.
 

2 comentários:

Em maio de 2002, uma comissão de críticos literários de várias partes do mundo escolheu o livro Dom Quixote de La Mancha como a melhor obra de ficção de todos os tempos.

A banda brasileira de rock progressivo mais louca que eu conheço também escreveu uma música sobre Dom quixote. procurem, é bem legal